Por que as ondas parecem quebrar à distância ou mover-se muito lentamente?

0
97

Você já viu o oceano em um calçadão e de alguma forma viu grandes ondas quebrando lentamente na frente de seus olhos?

É um fenômeno muito comum e particularmente perceptível quando ondas fortes atingem a costa ou durante dias de tempestade.

Você está em frente às ondas e as ondas grandes parecem bater muito lentamente à distância.

Semelhante a um replay em câmera lenta, a onda fica maior, começa a se curvar e, em seguida, desmorona lentamente para a frente.

Um evento semelhante pode ocorrer quando você está voando alguns minutos antes de pousar e olhando para a costa da janela do avião.

Você pode ver e reconhecer as ondas e a espuma branca de cima, mas elas parecem estar paradas e sem se mover.

Então, por que ondas grandes parecem quebrar e se mover muito lentamente, e no mesmo lugar, mas em um dia diferente, ondas menores quebram rapidamente?

Ondas: eles viajam em velocidades diferentes |  Foto: Shutterstock

Percepção visual

Tudo tem a ver com diferentes variáveis ​​de percepção visual e como nossos olhos e cérebro interpretam movimentos e entradas ópticas.

No exemplo da praia, o que acontece na maioria dos casos é que essas ondas grandes quebram mais para trás em comparação com as ondas menores que costumamos ver quebrando na costa.

Então nossos olhos veem que as ondas grandes quebram lentamente porque estão longe e demoram mais para cruzar nossa linha de visão do que aquelas que estão próximas.

Vistos de cima, eles parecem realmente congelados ou parados, e o intervalo entre as ondas, o período das ondas, parece superlongo, senão inexistente.

A primeira coisa a entender é que, quando estamos longe do solo, digamos, em um avião a 10.000 pés (1,9 milhas ou 3 quilômetros), seus olhos não têm referências fixas.

Por esse motivo, o movimento “real” das ondas não pode ser determinado com precisão.

Mas há mais: a velocidade relativa nos engana.

Velocidade relativa: Por que as ondas parecem quebrar à distância ou mover-se muito lentamente?  Foto: Hawaiian Airlines

Velocidade relativa

Quando estamos em terra firme, estimamos a velocidade das ondas em relação à costa.

No entanto, quando estamos em um avião, tendemos a ver o quadro geral e medir a velocidade das ondas com base nas linhas brancas da água e outras cristas das ondas que se movem na mesma velocidade.

Portanto, como obtemos uma imagem completa e comparamos as diferentes linhas onduladas visíveis, não há movimento óbvio.

Na verdade, existe movimento.

Mas nossos cérebros estão iludidos em acreditar que essas ondas deveriam se mover mais rápido e não conseguem entender por quê.

Deve-se levar em conta que um centímetro de oceano ou terra, visto do céu, equivale a dezenas de metros ou metros de solo ou água.

Portanto, não é difícil imaginar por que uma onda parece estacionária, visto que uma onda regular viaja de cima a uma velocidade média de 3 metros por segundo.

Nossos olhos não conseguem detectar um movimento de 30 metros a uma grande distância.

Também é importante notar que ao voar prestamos atenção às ondas apenas por um curto período de tempo, o que resulta em um pequeno deslocamento das ondas.

E quando estamos prestes a pousar, a cerca de 300 metros do solo, o fenômeno talvez seja ainda mais encantador.

O solo está se movendo rapidamente de um lado para o outro (ou vice-versa) e as ondas atrás dele parecem se mover lentamente.

Por quê? Vamos fazer alguns cálculos básicos.

As linhas de água branca precisam de cerca de um segundo para percorrer 3 metros; o avião voa a uma velocidade de 600 milhas por hora (965 quilômetros por hora), o que significa que está se movendo a uma velocidade de 880 pés por segundo.

Portanto, temos uma grande diferença entre as velocidades: 10 pés por segundo (ondas) contra 880 pés por segundo (avião).

O movimento é relativo

A ciência nos diz que todo movimento é relativo.

Quando algo está se movendo, não há uma resposta correta sobre a velocidade com que está indo ou mesmo se está se movendo.

Tudo depende do quadro de referência do observador. O quadro de referência é a representação da pessoa ou objeto que observa o movimento.

O quadro de referência pode ser estático ou móvel.

As ondas se movem de uma pessoa em pé na praia.

Mas, do quadro de referência da pessoa em um plano próximo ao solo, as casas e a costa parecem se mover.

De acordo com as leis da física, não há como distinguir entre um objeto em repouso e um objeto que se move a uma velocidade constante.

Como resultado, podemos nos fazer a seguinte pergunta: “Quão rápido algo está se movendo?” Não responda. Tudo é relativo e os olhos podem facilmente enganar o espectador.

Clique para avaliar este post!
[Total: 0 Média: 0]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui