Como a mídia social está arruinando a magia do surf

0
71
shooting surf
shooting surf

As redes sociais nos enganaram. Eles prometeram um mundo onde poderíamos compartilhar o melhor de nós mesmos, e aos poucos vamos vendo a morte daquilo que tornou o surf tão atraente para os Desportos e o ar livre.

A banalização da essência e do espírito únicos do surf é algo em que os surfistas devem pensar.

Quais são as principais diferenças entre a percepção geral do Desporto em 1980-2000 e 2000- ?

A principal mudança na equação é a introdução da variável internet e mais especificamente o surgimento das redes sociais.

No início dos anos 2000, ele começou a nos vender a ideia de que estamos todos conectados, mais próximos do que nunca graças a bits e bytes, imagens filtradas e videoclipes predefinidos.

As plataformas digitais interativas nos deram o poder de comentar sobre as ondas, os corpos, os equipamentos, o estilo de vida dos outros e o direito de ferir, insultar e intimidar aqueles que não seguem necessariamente modelos sociais padrão e predeterminados.

As redes sociais online acabam com milhões de comunicações reais e pessoais e com a expressão natural das emoções e sentimentos humanos.

As pessoas gostam menos de atividades ao ar livre e passam grande parte do dia olhando para smartphones, tablets ou laptops.

Embora não haja como negar que a mídia social nos permitiu atingir um público mais amplo, ela também quebrou a magia de encontrar ondas perfeitas e sonhar com uma ótima sessão em nosso intervalo local.

Lugares secretos para surfar: as redes sociais acabam com paraísos desconhecidos do surf |  Foto: Shutterstock

No entanto, devemos manter uma atitude positiva.

Como escreveu o poeta e romancista nigeriano Ben Okri: “Nosso futuro é maior do que nosso passado”.

Devemos voltar aos dias anteriores à internet, quando tínhamos que esperar um mês para receber nossa revista de surf favorita?

Provavelmente não. Mas temos que nutrir e cuidar do que temos.

Descubra parte do impacto das redes sociais no surf como fenômeno esportivo e cultural.

1. A glorificação do videoclipe pipoca

Entre 1980 e 1990, os vídeos de surf eram uma mercadoria rara, disponível apenas em fitas VHS Betamax.

Os espectadores se lembrarão para sempre da oportunidade de ver um campeão mundial pegar uma onda.

Foi um momento especial que foi explorado e dissecado desde o momento em que o surfista remou a onda até o final da prova.

Em seguida, os surfistas recreativos tentam imitar os truques e manobras que viram na televisão.

Hoje, marcas anônimas, atletas, organizadores de eventos e surfistas carregam milhares de ondas para as redes sociais todos os dias.

E nós assistimos e rolamos indefinidamente até que nosso cérebro congele e passemos para outro tópico interessante.

Navegar nas redes sociais é como comer pipoca no cinema.

2. A banalização da grandeza

Em um passado não muito distante, certas ondas ficariam gravadas para sempre em nossa memória.

Eles incluem rodadas emocionantes e intensas para o título mundial, finais do Pipe Masters, descidas inesquecíveis nos pits do Taiti, performances excepcionais em Peahi e passeios perfeitamente executados em Huntington Beach.

Os surfistas tiveram seus momentos gloriosos e esses eventos inesperados foram congelados no tempo.

Poderia ter sido uma torção de barril atemporal ou uma queda aérea espetacular, mas foram impressionantes e foram vistos por fãs e não surfistas.

Hoje em dia, as estatísticas de surf são descartáveis ​​e não são mais relevantes após 24 horas.

Você quebrou o Recorde Mundial do Guinness para a maior onda já surfada? Bom trabalho. Adeus.

Ninguém se importa mais – o desempenho é redundante e obsoleto depois de alguns dias. Por quê? Porque fomos reformatados para continuar e rolar para baixo.

3. O ponto de onda completo

Uma onda é sempre um momento privilegiado na tentativa de um surfista de ir de boa a ótima.

Os detalhes são importantes. Os surfistas devem escolher sua posição, escolher a onda correta, remar no momento certo, decolar com suavidade e facilidade, fazer uma curva completa e cavalgar a onda até o final.

A mídia social não tem paciência para decolagens e descidas em corredeiras.

É sobre o céu chocante, o blecaute ou este momento profundo no tubo azul. Etapas chamativas de nanossegundos são desnecessárias.

Quem se importa se você precisa de uma grande curva para baixo para obter o maior movimento de ar de um pneu?

4. Boa aparência: a nova obsessão universal

Você costuma ver surfistas compartilhando as banalidades de seu dia a dia?

Quando foi a última vez que um Campeão Mundial de Surf compartilhou algo terrível que havia acontecido com ele recentemente?

Ter uma boa aparência nas redes sociais é a nova fórmula para o sucesso (aparente) e a felicidade (artificial).

Esqueça os problemas e distúrbios de saúde mental, problemas financeiros ou desentendimentos dentro da família.

O que você vê é o que você obtém. E se tudo o que você vê são sorrisos, pele bronzeada e ondas perfeitas, então algo está errado.

Surf: tudo o que vivenciamos é captado e compartilhado até a exaustão |  Foto: Shutterstock

5. A quantificação de mim

O primeiro uso conhecido da palavra selfie data de 2002. E nem é preciso dizer.

As pessoas, e os surfistas não são diferentes, estão cada vez mais obcecados com a complacência e a forma como os outros se veem.

Na maioria dos casos, esse comportamento inconsciente reflete apenas as necessidades de busca de atenção, baixa auto-estima e dependência social.

Cada publicação ou foto que o internauta compartilha nas redes sociais tem um propósito.

Infelizmente, essas plataformas globais online transformaram o impacto de nossas ações em números: o número de seguidores, visualizações, curtidas e compartilhamentos.

Mas a beleza do surf não pode ser quantificada.

É algo que não pode ser descrito, discutido, imaginado, sonhado e finalmente experimentado.

6. Perda da aura mágica do Surf Star

Por que uma estrela do rock da velha escola se parece e se sente como uma estrela do rock de verdade?

Por que as pessoas comuns admiram e temem seus ídolos da música ou heróis do Desporto?

Porque alguns deles mantiveram suas vidas secretas e secretas da maioria do público, inclusive da mídia.

Quanto mais um ícone ou campeão emerge dos holofotes, mais interesse, curiosidade e entusiasmo ele desperta.

Embora as interações com os fãs e o público sejam sempre saudáveis ​​para ver e fazer, as figuras públicas costumam ser superexpostas.

Envolvemos campeões mundiais de surf em controvérsias e debates desnecessários e às vezes tolos que nada acrescentam às suas responsabilidades como atletas, esportistas, figuras públicas e modelos.

7. A “difusão” da surf trip

Não faz muito tempo que as surf trips eram viagens sagradas ao desconhecido em busca de ondas perfeitas.

O conceito de uma viagem de surf como uma aventura exploratória de surf gerou dezenas de filmes, incluindo o maior filme de surf de todos os tempos. “Verão interminável

No cerne das surf trips está uma variável que vai perdendo gradualmente o seu significado original: a descoberta.

Hoje em dia, os smartphones não apenas nos guiam pelos picos e lugares já mencionados, mas também ditam onde ir para obter as melhores fotos e clipes.

Algumas décadas atrás, viajamos para surfar; hoje, alguns viajam em busca de fotos em locais de surf.

Perdemos a capacidade de viver o momento, de guardar experiências para nós mesmos e de capturar memórias duradouras com nossos olhos.

Ondas perfeitas - surfistas cada vez mais obcecados por atirar e  compartilhar pontos secretos |  Foto: Shutterstock

8. A globalização do lugar secreto

As revistas os guardaram por muito tempo. lugares secretos para surfar… um segredo.

Você voou pelas páginas e leu descrições detalhadas da onda, suas características únicas e sensações impressionantes.

Mas o mistério em torno dessas falhas pontuais idílicas, praias remotas do Ártico e céus cristalinos permanece desconhecido.

Com o advento do Google Maps, previsões de surf e o atlas ilustrado de pontos de surf, o ponto secreto está quase extinto.

Nazaré é capa do New York Times e os vídeos de Skeleton Bay foram vistos milhões de vezes no YouTube.

9. A morte da Surf Magazine

Um por um, todos eles caem.

Em breve, as revistas de surf serão coisa do passado.

Quando a “Bíblia do Desporto” perde sua edição impressa nas prateleiras após 60 anos, tudo é possível.

Os usuários da Internet perderam o interesse em ler os artigos mais curtos.

O conceito de revista de surf, como o conhecemos, está morto e pode não ter uma segunda vida como os discos de vinil.

Por Luís MP | Fundador da ericeiraparadise.com

Clique para avaliar este post!
[Total: 0 Média: 0]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui