5 dicas para um começo de sucesso

0
195
japanesesurfer
japanesesurfer

3 de agosto de 2016 foi um dia que os surfistas nunca devem esquecer. Pela primeira vez em sua longa história, o surf está confirmado nos Jogos Olímpicos.

Os antigos Jogos Olímpicos datam do século 8 aC. C. Era uma celebração de Zeus, o deus de todos os deuses. A primeira edição ocorreu em 776 AC. C. Na Grécia.

Mas o Barão Pierre de Coubertin fundou o Comitê Olímpico Internacional (COI) em 1894 e mais tarde liderou os Jogos Olímpicos Modernos, muitos Desportos fizeram uma estreia mais ou menos bem-sucedida no evento.

Pierre de Coubertin imaginou uma competição global em que atletas amadores pudessem provar a si mesmos nos valores de amizade, respeito e excelência.

No entanto, as coisas mudaram, para melhor ou para pior. Profissionalismo misturado a preocupações políticas e econômicas permeou o espírito olímpico e a busca por medalhas de ouro, prata e bronze transformou o evento esportivo mais popular do mundo.

A boa notícia é que o espírito original das Olimpíadas ainda pode ser visto nos olhos dos participantes, que se preparam para dar o melhor de si e representar seu país.

O surfe está prestes a se apresentar com uma oportunidade única na vida – uma oportunidade única de revelar todo o seu esplendor como um Desporto ao ar livre que conta com elementos naturais e um talento absoluto para brilhar e prosperar.

Jogos Mundiais de Surf: Diversidade e igualdade de gênero essenciais nos Jogos Olímpicos |  Foto: Reed / ISA

Apesar de todas as críticas, e após décadas de intenso lobby, a International Surf Association liderada por Fernando Aguerre finalmente conseguiu se reunir O velho sonho de Duke Kahanamoku

A estreia do Olympic Surf acontece no Japão, um país que não está diretamente associado a ondas perfeitas, mas que pode oferecer condições justas a boas para um showdown memorável.

A tarefa mais difícil é continuar navegando no movimento olímpico nas próximas décadas. Mais ou menos como o windsurf fez desde 1984Isso é possível? Sem dúvida? O que devemos fazer para chegar lá? Primeiro, seguindo algumas boas práticas e evitando erros comuns. Vamos dar uma olhada:

1. Aumentar a igualdade de gênero ao navegar

Ainda existe uma grande diferença entre os prêmios pagos a homens e mulheres e isso se aplica ao Tour do Campeonato da World Surf League (WSL), à Série de Qualificação e ao Big Wave Tour.

O mundo mudou. Por muito tempo, as mulheres têm o direito de votar e dirigir na maioria dos países do mundo. Então, por que eles deveriam ser banidos dos eventos de surf de ondas grandes? E por que eles deveriam ganhar menos se ganharem uma partida?

As Olimpíadas estão à frente da Liga Mundial de Surf na promoção da igualdade de gênero. Se o surf não mudar isso, Tóquio 2020 pode ser a primeira e a última chance das Olimpíadas.

O mesmo vale para o processo de qualificação olímpica. Existem 40 vagas disponíveis e esperamos ver 20 homens e 20 mulheres surfando nas ondas da Praia de Tsurigasaki.

2. Foco na diversidade de nacionalidades: 40 atletas, 40 países

Ter estrelas e campeões não é a receita para o sucesso. Os Jogos Olímpicos são uma questão de diversidade e com atletas de todo o mundo competindo entre si e representando todos os países do mundo.

E hoje, com o advento das piscinas de surfe, ondas de rio e companhias aéreas de baixo custo, não há razão para que não possamos ter fantásticos surfistas austríacos ou suíços soltando suas habilidades no Japão.

Se por algum motivo os 40 surfistas representam apenas as bandeiras dos Estados Unidos, Austrália e Brasil, surfar nas Olimpíadas é único.

Riki Horikoshi: Representou o Japão no World Surfing Games 2017 |  Foto: Reed / ISA

3. Mais juventude, menos estrelas

Conseguir as estrelas do surf nas Olimpíadas não é necessariamente uma coisa boa. O COI e o próprio movimento olímpico estão entrando em uma era de rejuvenescimento que pode atrair jovens atletas e um público mais jovem para o evento.

Portanto, ao mesmo tempo que convidar veteranos experientes para ingressar em equipes olímpicas, ou tentar torná-los elegíveis para o processo de qualificação, pode ser uma forma interessante de obter uma medalha para um país, também prejudica o Desporto a médio e longo prazo.

4. Não deixe que as corporações controlem o show

As empresas de surf já começaram a trazer atletas de suas equipes para o maior evento esportivo do mundo. E farão o possível para levar seus surfistas a Tóquio 2020 e mostrar suas marcas para o mundo.

A World Surf League e a International Surfing Association devem garantir que a indústria do surf não use os surfistas como ferramentas de marketing. Tóquio 2020 não é sobre empresas de surf, é sobre o que os surfistas podem fazer nas águas japonesas.

5. Mantenha o formato competitivo estreito e simples

O público sempre foi uma variável fundamental dos Jogos Olímpicos. O COI quer que as pessoas se envolvam no Desporto para eles, por isso é essencial que os não surfistas entendam como os atletas obtêm suas pontuações e como e por que vencem as séries.

Você não pode continuar surfando de uma maneira atraente com regras complicadas e longas pausas entre as rotas. WSL e ISA devem trabalhar juntos para ajustar os detalhes e otimizar o aspecto técnico do Desporto.

O surf tem que ser uma experiência televisiva, dirigida mesmo aos fãs na praia e aos espectadores sentados no sofá.

Clique para avaliar este post!
[Total: 0 Média: 0]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui