Surfistas portugueses pedem às autoridades que reabram o acesso ao oceano

0
73

O presidente da Federação Portuguesa de Surf (FPS) quer que os surfistas voltem à água quando o estado de emergência for levantado.

João Aranha escreveu uma carta ao governo português, ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e ao Parlamento Nacional com uma série de recomendações para os surfistas regressarem às ondas.

O impacto econômico de novo coronavírus Covid-19 sobre o surf em Portugal e o esclarecimento da regra que dá acesso ao mar e não à praia, foram duas das principais questões abordadas pela SPF.

“Queremos voltar à água quando terminar o período de emergência, provavelmente no dia 2 de maio”, disse Aranha à agência noticiosa portuguesa Lusa.

“Acreditamos que teremos uma resposta positiva do governo, pois o executivo já tem planos para uma abertura gradativa do mar.”

O presidente da FPS pediu ao governo que “ouça e entenda” suas preocupações e compromissos para garantir que os surfistas sigam regras e diretrizes rígidas em relação à segurança de todos.

Necessidades de saúde e bem-estar

Aranha enfatiza as “necessidades de saúde e bem-estar” e destaca que existem diferenças entre o regresso à zona do surf e à praia.

“Pra nós, a praia é uma travessia de pedestres e não um lugar onde nos hospedamos e nos encontramos. Nosso ambiente é o mar, as ondas, e queremos voltar. Entendemos que o governo tem medo de reuniões nas praias, e que é compreensível ”, diz ele.

Mas João Aranha quer garantir que “os surfistas tenham acesso ao oceano. Estão com medo e desesperados por regressar”.

A Federação Portuguesa de Surf está também preocupada com o impacto económico que o bloqueio terá nas escolas de surf, eventos e patrocínios.

“O que mais me preocupa e o que é crucial são as escolas e as aulas de surf. Estão numa situação extremamente difícil. Tem que haver uma forma de os ajudar a regressar gradualmente ao trabalho. Menos alunos”, acrescenta Aranha.

A Associação Nacional dos Surfistas (ANS) também acredita que o governo estará aberto aos seus argumentos e que o Desporto voltará a operar no dia 3 de maio.

“Acreditamos que os municípios estão abertos a isso e esperamos que o governo volte a normalizar o Desporto”, disse Francisco Rodrigues, presidente da ANS.

Porém, Rodrigues sabe que será um longo processo e que a prioridade é trazer os surfistas recreativos de volta às ondas; os eventos serão retomados depois disso.

Apesar de Portugal ter, em comparação com outros países europeus, um baixo número de camas de cuidados intensivos (UCI) por 100.000 habitantes, foi rapidamente bloqueado e foram tomadas medidas conservadoras que têm ajudado a nivelar a curva de Covid -19.

Clique para avaliar este post!
[Total: 0 Média: 0]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui