A história de uma aventura de surf quase perfeita na Índia

0
88
indiansurfspot
indiansurfspot

É a história de três surfistas espanhóis e de um cineasta que embarcaram em uma viagem de surf à Índia para umas férias misteriosas na praia no meio do nada.

“Quando vi a escalação não pude acreditar. Só queria entrar na água”, disse Natxo González.

“Foi um após o outro. Foi irreal”, acrescenta Aritz Aranburu.

“Pudemos ver uma sequência interminável de ondas quebrando de longe e se aproximando conforme os trens de alta velocidade se aproximavam”, diz Kepa Acero.

Em 2017 Natxo González, Aritz Aranburu e Kepa Acero viajaram para a Índia com um objetivo muito claro.

Um sonho indiano

“Em 2012, encontrei muitas ondas no Google Earth e realmente tentei alcançar a mesma onda sozinho e com minha câmera.”

Era um lugar no interior da Índia, onde ninguém falava inglês. Acero estava sozinho e ninguém poderia ajudá-lo.

“Quando finalmente cheguei ao mesmo lugar e à mesma cidade, estava a apenas quatro quilômetros dessa onda, e percebi que nem a polícia, nem o exército, nem os pescadores iam parar. ‘Ajude-me a chegar lá’, explica o surfista.

“Eu simplesmente fiquei lá frustrado. Eu estava tão perto e ainda não conseguia fazer isso.”

Um dia Natxo ligou para Acero. Ele encontrou uma onda no Google Earth e pensou que Kepa o ajudaria a encontrar essa onda. Acero disse-lhe que lá estivera há alguns anos, mas que não tinha autorização para ir à ilha.

“Eu disse a ele, acho que vale a pena tentar. É o maior swell dos últimos 25 anos”, explica Natxo.

Índia: uma onda perfeita em direção às oportunidades certas para a pecuária | Foto: Aspuru

No meio do nada

“Éramos como marcianos. Não via turistas e acho que turistas nunca vão lá, porque é um lugar estranho”, enfatiza Acero.

“Está alto em todo lugar, mas quatro loucos estão perseguindo uma onda.”

O trio encontrou um barco de pesca para chegar ilegalmente à ilha, pois precisavam de documentos que eram muito difíceis de obter.

Foi o dia do maior swell em décadas.

Os surfistas saíram às 5 da manhã com todas as pranchas nas mãos. Quando embarcaram tiveram problemas com a maré porque havia um pequeno túnel para passar e mal o alcançaram.

“Assim que conseguimos passar, parecia que finalmente estávamos saindo do porto e rumando para a ilha”, explica Acero.

Polícia diz “não”

“Mas quando estávamos todos ansiosos para partir, um policial apareceu.”

Ele parecia muito zangado e perguntou: “Para onde você está indo? Dissemos que íamos para a ilha, mas ele respondeu: “Não, você não pode ir”, acrescenta Aritz.

A polícia pediu permissão aos surfistas e os pescadores tiveram problemas porque era uma viagem ilegal. Tudo deu errado em um piscar de olhos e de repente eles estavam em apuros.

As autoridades disseram aos surfistas espanhóis que eles não tinham permissão para ir à ilha naquele dia, mas que poderiam obter permissão para o dia seguinte.

Aritz, Kepa e Natxo: em busca de swell de um dia na Índia | Foto: Aspuru

“Tentamos explicar a eles o que deveria ser naquele dia, mas foi difícil explicar para um grupo de pessoas que não falavam inglês”, disse Aranburu.

A polícia não entendeu que eles estavam lá antes do ciclone. A próxima etapa foi encontrar uma solução sozinho.

“Sabíamos que os pescadores estavam em apuros, mas tivemos sorte porque a polícia não achou que sabíamos que era proibido”, acrescentou Acero.

“Porém, sabíamos que se fôssemos apanhados duas vezes e voltássemos para a delegacia, as coisas poderiam dar errado. Foi uma decisão difícil, mas tínhamos que tentar, certo?”

Tudo ou nada

O grupo foi até um rio próximo em busca de pescadores. Estava perto do porto, mas a polícia não olhou para ele.

“Alguns pescadores chegaram com um barco de fundo chato muito instável que tinha motor de capina”, explica Natxo.

Jon Aspuru, o cinegrafista, não queria pensar que eles poderiam estar em apuros, mas acabou seguindo a decisão de seus amigos. Eles estavam a caminho “para lá.

Aritz Aranburu: recuperando em algum lugar da Índia | Foto: Aspuru

Um sonho destro?

Quando os surfistas chegaram à praia, eles tiveram que caminhar três quilômetros de onde o barco os deixou para perseguir a onda.

“Começamos a ver as primeiras linhas de ondas batendo no banco de areia e estavam perfeitas! Olhando as linhas, achei que era a melhor configuração que já tinha visto. Natxo explica.

Os meninos foram para a água.

“Ficamos muito felizes depois de tudo que passamos. Mas algo dentro nos disse que algo estava errado, a onda estava muito rápida”, diz Natxo.

“Toda a emoção desmoronou. Foi um momento difícil para todos”, disse Acero.

“Para a segunda rodada, observei o que as ondas estavam fazendo. A escalação ainda era um sonho, mas se você olhar de perto, notou que as ondas estavam muito rápidas”, acrescentou Aritz.

“A escalação estava tão perto de uma das melhores do mundo.”

Uma noite com caranguejos e mosquitos.

O grupo passou a noite com poucos cobertores. Os pescadores os recolheram no dia seguinte.

“Achamos que seria a melhor noite da nossa vida, a mais isolada e a mais aventureira, mas a verdade é que foi a pior noite da minha vida”, insiste Natxo.

Aritz, Natxo, Kepa e Jon: uma noite com caranguejos e mosquitos | Foto: Aspuru

Os mosquitos os picavam por toda parte. E então veio a tempestade e os surfistas tentaram dormir sob suas pranchas.

“Tentei dormir e de repente senti algo que parecia uma aranha. Então joguei fora. Havia arranhões e mosquitos por todo o lugar e estamos dormindo na areia”, diz Acero.

Oi e tchau

Na manhã seguinte, as ondas foram embora. O grupo parou para pensar.

“As ondas nos levam a esses lugares, mas, para ser sincero, muitas vezes não nos lembramos disso. Muitas vezes pensamos em tudo o que acontece ao longo do caminho. Foi um exemplo claro de uma falha incrível”, diz Steelhead.

Quando o grupo chegou à alfândega, um policial perguntou: “Você tentou surfar na Ilha Hope?” Então ele nos mostrou um diário com uma foto de Jon e um policial.

O grupo de surf estava no noticiário. No final, eles podem não ter o céu, mas não perderam as esperanças e voltaram para casa com uma história para contar aos filhos.

Clique para avaliar este post!
[Total: 0 Média: 0]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui